Balanço do vitorioso 37º Encontro Nacional de Estudantes de Pedagogia

04/08/2017

A Comissão Organizadora do 37º ENEPe saúda os mais de 650 estudantes presentes no vitorioso ENEPe no sertão! Foi uma grande vitória a realização desta 37ª edição do Encontro Nacional de Estudantes da Pedagogia no sertão Pernambucano, com o tema: Contra as políticas imperialistas do Banco Mundial para o ensino público no Brasil e a formação do pedagogo.

Durante os 8 dias de encontro, estudantes de todos os cantos do país se reuniram no intuito de avançar na organização e na luta nacional em defesa do ensino público no nosso país. Com mesas de debate, grupos de discussão, minicursos e oficinas que contaram com participação de estudantes, professores, camponeses e trabalhadores em luta, nós avançamos nos debates e no entendimento sobre a situação em que se encontra o curso de Pedagogia, a educação no nosso país e a luta em defesa de nossos direitos e contra a privatização do ensino, que se agudiza no contexto atual da maior crise do imperialismo.

Uma das maiores expressões da vitória do Encontro se deu já na Mesa de Abertura, com a presença de camponeses, professores das universidades, estudantes secundaristas que participaram das ocupações e representantes de movimentos populares que saudaram o início do evento. Várias falas foram no sentido de apoiar a luta dos camponeses de todo país que avança com novas mobilizações e retomadas de terra, respondendo a altura os ataques do velho Estado e os massacres do latifúndio.

Isto demonstrou o nível de decisão em avançar a organização dos estudantes da pedagogia para seguir unindo a luta do nosso povo contra este velho e podre Estado que segue atacando nossos direitos. E este foi o espírito que se viu ao longo dos outros dias.

Na mesa sobre a situação política a professora Fátima Siliansky, que foi arbitrariamente exonerada da direção do Hospital Universitário da UFAL pela EBSEHR neste ano, denunciou a privatização do ensino e como a sua exoneração é expressão concreta do avanço da privatização na gestão das universidades por empresas privadas - o que implica no maior ataque à autonomia política e administrativa das universidades públicas. Também foi denunciado o grave risco de fechamento das universidades, principalmente das estaduais, com o agravamento da crise e o aprofundamento da política de sucateamento visando criar uma suposta necessidade de "resgaste" pelo capital privado. A notícia do fechamento por tempo indeterminado da UERJ por falta de verba, veiculada no dia 01 de Agosto, confirma de maneira contundente o que discutimos no 37º ENEPe.

A mesa sobre a Formação científica e unitária do Pedagogo aprofundou o entendimento sobre a concepção crítica marxista de formação do pedagogo, baseada na indissociabilidade entre ensino, da pesquisa, da coordenação político-pedagógica dos processos educativos, todos estes aspectos vinculados à luta de classes e aos movimentos populares. Compreendendo a educação e o ensino como fenômenos da luta de classes, destacou-se esta última como aspecto principal e determinante da formação crítica do pedagogo. Ou seja, apenas nos engajando e contribuindo na luta pela transformação social e educacional de nosso país poderemos nos formar criticamente e impulsionar nossas lutas, e isto deve se dar desde a formação inicial, vinculando nossos currículos às práticas de educação popular no campo e na cidade, às lutas democráticas dos camponeses, povos indígenas e quilombolas, ao combate à privatização das escolas e universidades. Como pedagogos e pedagogas em formação, tomarmos posição de classe é fundamental, para defendermos uma educação que sirva ao povo e às suas lutas!

Na mesa sobre a Regulamentação da Profissão vimos que tudo isto é o oposto do que se vê com as Reformas Curriculares e com o avanço da BNCC que buscam seguir atacando o ensino público e colocam a concepção pragmática e tecnicista para a formação dos professores como "dadores de aulas", muito distante de uma formação científica que integre a pesquisa e a docência com as lutas de nosso povo. Também foi denunciado o projeto "Escola Sem Partido" que, sob o disfarce de defesa da "neutralidade" na educação, avança com a criminalização e perseguição dos professores e estudantes que levantam suas reivindicações e aplicam um ensino crítico e democrático.

A mesa sobre a Reacionarização do Estado colocou em discussão o avanço da luta popular em meio aos ataques do governo bandido de Temer e do imperialismo que, vivendo a maior crise de sua história, não possuem outro caminho senão aumentar a exploração e opressão do povo trabalhador. Nesta mesa, tivemos importantes falas de professores democráticos, homens e mulheres do povo que desmascararam o caráter de classes do velho Estado brasileiro, gerido pela grande burguesia e o latifúndio, sempre à serviço do capital financeiro internacional e dos países imperialistas. O representante da Liga dos Camponeses Pobres fez denúncia importantíssima sobre a situação de Paud'arco, no Pará, onde recentemente as famílias camponesas retomaram, junto com a LCP, as terras do latifúndio no qual 10 camponeses foram mortos recentemente pela polícia militar, num odioso massacre contra as massas em luta. Estes ataques contra o povo contam, ainda, com amplo apoio do judiciário que dá todo aval e "cobertura jurídica" para que a reforma trabalhista e da previdência avancem a passos largos no Congresso e Senado, bem como autorizam medidas privatizantes na pós-graduação, no caso do pagamento das pós-graduações, destruindo ainda mais o ensino superior gratuito.

Os trabalhos de campo foram fundamentais para que os estudantes de todo país entrassem em contato com a realidade do sertão. Nos assentamentos de camponeses, na escola rural da Massaroca, nas mulheres rendeiras, nós pudemos não apenas conhecer estes locais e suas lutas, mas contribuir para levantarmos pautas e ações concretas na Plenária de compartilhamento das experiências.

As oficinas, minicursos e grupos de discussão foram uma parte essencial neste 37º ENEPe: todos os presentes puderam colocar suas opiniões e suas visões sobre os temas do encontro e contribuir com propostas para a Plenária Final e o Plano de Lutas que foi aprovado para o segundo semestre de 2017 e 2018.

Após a Plenária para definição das próximas sedes, preparou-se a manifestação dos estudantes de Pedagogia, como ocorre todos os anos.

Após um dia inteiro de definições, a manifestação saiu vigorosa com faixas, bandeiras e um carro de som, aonde as Executivas, a C.O., os CA's faziam falas e puxavam palavras de ordem. Os estudantes andaram pelas ruas de Petrolina e colocaram para o povo que passava a necessidade de se rebelar contra os ataques aos direitos do povo.

Todo o encontro teve este espírito: o de se espelhar na combatividade dos camponeses de Pau D'Arco e enfrentar os ataques que estão em curso contra nosso povo, unindo a pedagogia aos estudantes de todas demais licenciaturas, professores democráticos e às demais classes populares.

A União Nacional dos Estudantes fracassa na tentativa de dividir os estudantes de Pedagogia!

A União Nacional dos Estudantes - Une, desde o primeiro dia do encontro e com a UJC/PCBrasileiro na cabeça, tentou dividir os estudantes de pedagogia, atacando a Comissão Organizadora e caluniando companheiros e companheiras da organização do 37º ENEPe. Esta entidade traidora dos estudantes queria um evento nos moldes dos "encontros" da Une: despolitizados, desorganizados e que não contribuísse em nada para a luta dos estudantes. Para isto, usaram sua tática suja de tentar implodir o encontro, querendo impedir que a programação do evento acontecesse e que o debate político ocorresse.

Essa postura foi completamente rechaçada pela maioria dos estudantes presentes no encontro! Com a posição firme dos estudantes, que queriam que seu encontro acontecesse, pois tinham todos viajado milhares de quilômetros para este objetivo, a Une ficou na defensiva, tentaram se esconder e se dizer "independentes", não assumindo suas posições e organizações eleitoreiras e fingindo até que não eram da Une! Tentaram assim, em vão, confundir os estudantes de pedagogia.

Estes oportunistas da Une fizeram gritaria sobre o preço do 37º ENEPe, mas tentaram esconder o vergonhoso calote que deram ao encontro independente dos estudantes de pedagogia! Na Plenária Final foram desmascarados, quando a CO informou que o calote da Une provocou uma dívida para todos estudantes, a CO e a ExNEPe. E isto tudo depois que a CO não só estendeu o prazo de pagamento para todas as delegações que assim solicitaram, como também reservou vagas para mais de 50 estudantes das suas delegações, para que pudessem pagar apenas no primeiro dia do encontro. Fizeram esta solicitação por escrito à CO, inclusive em carta publicada na internet.

Os estudantes sérios e comprometidos com o ENEPe e com a luta da pedagogia pagaram sua inscrição conforme o combinado, já os descarados da Une deram o calote! Chegaram no encontro em número bem menor que as vagas reservadas e com uma "proposta" esdrúxula de pagar menos de 15% do valor das inscrições, comeram de graça, fizeram farra e ainda tentaram desviar o encontro do caminho da luta consequente.

O calote da Une no 37º ENEPe gerou um prejuízo de milhares de reais, mas a CO e os estudantes de pedagogia têm experiência em organização e já estamos em meio à campanha de finanças pra cobrir o rombo da Une caloteira; esta entidade, por sua vez, acostumada com os mensalinhos da Petrobrás e da Odebrecht, se fizeram de pobres vítimas que não podiam fazer nem uma rifa ou pedágio pra ajudar a levantar recursos pra o encontro estudantil!

No domingo, quando estava prevista pra acontecer a primeira mesa de debates e os palestrantes convidados já estavam presentes na plenária, os oportunistas da Une tiveram o descaramento de propor que a mesa sobre a situação política intitulada "Fora Temer e sua quadrilha! Abaixo as reformas da previdência e trabalhista!" fosse cancelada e desse lugar ao seu teatro divisionista. Uma das palestrantes convidadas veio do Rio de Janeiro, a profª Fátima Siliansky, justamente a professora que mais tem sofrido perseguição política no país por lutar contra a privatização dos Hospitais Universitários! Mesmo com a professora explicando que não poderia ficar até à noite, por ter passagem já comprada, a Une continuou insistindo que o debate não ocorresse!

Tudo isto foi em vão! A maioria dos estudantes decidiu por manter o debate e as importantes discussões da programação do evento. Derrotados após perderem a votação, os oportunistas da Une saíram da plenária, num desrespeito com os palestrantes e demonstrando a todos a falta de compromisso verdadeiro com a luta dos estudantes contra a privatização do ensino e contra o governo corrupto de Temer e sua quadrilha.

Esta foi mais uma prova de que a "esquerda da Une" é isto mesmo: é Une, e nada mais! Seu bloquinho barulhento de "PCBrasileiro e companhia" veio ao ENEPe com a mesma prática desmobilizadora e desonesta da sua grande liderança: a UJS/Pecedobê! Parecem ter esquecido que a pedagogia ROMPEU com esta entidade falida há vários anos, mas os estudantes presentes no encontro lembraram isto a eles! Os estudantes reafirmaram a defesa do 37º Encontro como um espaço de luta combativa em defesa da educação, e a Une foi mais uma vez derrotada na pedagogia!

Em vários momentos, a Une e seus satélites também utilizaram e deturparam a justa luta das mulheres, dos negros, dos LGBT's para levar a cabo uma prática social-fascista de linchamento pessoal e fugir do debate político. Exemplo disto foi a falsa acusação que fizeram contra um companheiro da CO por suposto machismo, isto porque o companheiro era quem estava cobrando que a Une e sua companhia cumprissem com o compromisso que fizeram com a reserva de vagas. Pra fugir da vergonha de serem desmascarados como caloteiros dos estudantes, usaram argumentos mentirosos, como o comprovam vários professores da UPE e estudantes de vários locais presentes na hora da discussão. Além disto, fizeram comentários racistas contra um companheiro da Executiva Mineira e representante da ExNEPe, chamando de "macaco" um dos companheiros mais ativos e que tem lutado por manter a linha independente e combativa na ExNEPe.

Nada disto abalou os companheiros e companheiras da CO e os participantes do encontro, e por isto a Une não conseguiu atrapalhar em nada o vitorioso 37º Encontro Nacional dos Estudantes de Pedagogia! Ao contrário, este embate político revelou para centenas de companheiros e companheiras de todo o Brasil o que é a Une pelega e eleitoreira. Assim, os estudantes reafirmaram com ainda mais consciência o rompimento da pedagogia com esta entidade falida!

Ficaram claros os dois caminhos do movimento estudantil: o caminho burocrático, eleitoreiro, e oportunista da Une e o caminho da luta combativa, organizada e consequente na defesa de uma transformação radical em nosso país e por uma verdadeira democracia, que expressa a ExNEPe e todos movimentos de luta.

Mais de 650 estudantes discutiram profundamente as políticas imperialistas na educação e organizaram um Plano de Lutas para responder à altura e colocar a Pedagogia na linha de frente de defesa da educação pública, optando mais uma vez pelo caminho da luta e não o da conciliação!

Impulsionar a organização dos estudantes de pedagogia para barrar o fechamento das nossas universidades!

O debate do 37º apontou a urgência de levantarmos a bandeira da luta contra a privatização e o fechamento das escolas e universidades públicas. Os governos dos diferentes partidos vem aplicando há décadas a política de sucateamento e as universidades brasileiras estão chegando a um nível gravíssimo de falta de verbas. Com isto, estes reacionários de todas as siglas planejaram chantagear as reitorias para adotarem medidas de privatização, seja cobrando dos estudantes ou se sujeitando ao financiamento privado. Isto nós temos que barrar! A pedagogia tem que se preparar para estar na linha de frente a esses ataques contra a educação!

Durante toda a preparação para o 37º ENEPe, a Executiva Nacional cumpriu um papel importantíssimo de mobilização dos estudantes de pedagogia, visitando diversas regiões do país, impulsionando a organização e a luta dos estudantes para participarem do encontro. É hora de darmos um salto nesta nossa atuação, impulsionando nossa mobilização nacional em defesa do ensino público. É hora de convocarmos uma LUTA NACIONAL contra a privatização e o fechamento das universidades públicas e fazer o dia 23 de Novembro - Dia Nacional de Luta da Pedagogia ecoar em todo o Brasil!

Chamamos os estudantes de todo país a seguirem levantando suas bandeiras de luta e se organizando, mobilizando mais e mais estudantes a se somarem na construção das entidades de bases, CA's e DA's, a realizarem Encontros Estaduais e elegerem suas respectivas Executivas. Deste modo poderemos seguir levantando um movimento massivo e combativo, desde cada sala de aula, para defender o ensino público, gratuito, verdadeiramente democrático e a serviço do povo.

Nós, da Comissão Organizadora do 37º ENEPe, desde já saudamos o 38º Encontro Nacional em Maceió/AL e mais uma vez reafirmamos nosso compromisso de seguir no caminho da luta combativa e independente para cumprir com os planos acordados neste Encontro e mobilizar os estudantes da Pedagogia com ainda mais decisão para combater e resistir aos ataques aos nossos direitos! Vamos unificar a nossa luta! É urgente reabrir a UERJ e manter todas as nossas universidades abertas e funcionando! Abaixo a privatização e o fechamento das universidades públicas!

Tanto neste ano como no ano que vem haverá muita luta. Desde já conclamamos todos estudantes do Brasil a construírem o 38º ENEPe em Maceió/AL e o 22º FoNEPe em Caruaru/PE, para seguirmos aprofundando os debates e a luta contra a privatização e o fechamento das escolas e universidades. Este é o caminho da nossa luta, do campo à cidade, da Amazônia ao Sertão e do Sertão ao Litoral, percorrendo todo o Brasil e mobilizando os estudantes em muita luta! Retomando a profecia de Antônio Conselheiro, em meio à guerra camponesa de Canudoss:

"O sertão vai virar mar
e o mar virar sertão
porque assim mal dividido
esse mundo anda errado
a terra é do homem
não é de Deus nem do diabo
O sertão vai virar mar e o mar virar sertão!"

Comissão Organizadora do 37º ENEPe
Agosto de 2017